Resgatei um animal de rua: E agora? o que fazer?

Em cidades de todo o País, é comum nos depararmos com animais soltos pelas ruas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 30 milhões de cães e gatos estejam em situação de rua no Brasil, sujeitos a maus-tratos, falta de alimento e abrigo. Sensibilizadas pela situação, muitas pessoas acabam levando esses animais para casa, sem saber ao certo a melhor maneira de ajudá-los. Em virtude desse cenário, nós da zenpet vamos lhe auxiliar da melhor forma e te informar no que impacta a saúde pública e o bem-estar animal, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) alerta para o problema do abandono e pondera como as pessoas devem proceder ao resgatar animais de rua.

Dicas para um resgate seguro:

1. Tire-o da rua:

Aproxime-se com cuidado e deixe o animal se acostumar com você. Uma boa dica é oferecer comida ou esticar sua mão para que cheirem (cães). Se estiver em uma via movimentada, peça ajuda de um amigo ou de quem estiver passando para afastar o animal dos carros. Em estradas você pode pedir ajuda à Polícia Rodoviária, que costuma ter equipamentos para resgatar animais com segurança.

Antes de pegar um cão ou gato desconhecido no colo, tome cuidado: providencie uma coleira ou focinheira, especialmente se o animal estiver ferido. Ou use um cobertor para envolver e carregá-lo em segurança, evitando mordidas.

2. Lar, doce lar:

A melhor opção é levar o animal para a sua casa. A maioria dos abrigos, ONGs e Centros de Controle de Zoonoses (CCZ) enfrentam superlotação, falta de recursos e dificilmente poderão cuidar tão bem quanto você. Dê um jeitinho! Se você não puder ficar com o cão ou o gato, converse com sua família e amigos. Explique que é temporário, só até encontrar um lar definitivo, e que vocês podem dividir os custos ou até mesmo revezar as casas.

3. Comida e cuidados simples:

Um lar provisório não tem que ser perfeito ou espaçoso. Basta ter uma área de serviço ou um cantinho no quintal, onde o animal resgatado possa se proteger do frio e do calor também. Improvise uma cama com um cobertor ou moletom velho. O ideal é alimentar com ração. Se não tiver como comprar, você pode provisoriamente combinar comidas caseiras como arroz, frango (sem osso), batatas ou legumes cozidos.

4. Alguém perdeu um bichinho?

Nem todo animal na rua foi abandonado – desconfie principalmente de animais treinados, bem alimentados ou com coleira. Certifique-se de que ele não está só perdido! Converse com os vizinhos, avise em comércios locais e procure pelos donos em sites especializados

5. O que o veterinário disse?

Garanta a sua segurança e a saúde do seu novo amiguinho: leve ao veterinário o quanto antes. Ele irá avaliar a necessidade de vacinar e vermifugar. Aproveite a consulta para descobrir o peso, tamanho (se for filhote), idade aproximada e se o animalzinho está com dor. Ajude-o a se sentir melhor logo!

Resolveu adotar o animal resgatado? Atente-se aos fatos:

1: Prepare sua casa

Você pode achar que, apesar de sua casa não ser a mais bagunçada do mundo, ela já está pronta para receber um pet, mas o que muitas pessoas não sabem, é que existem vários objetos e itens que todo mundo tem em casa que são tóxicos e podem fazer mal à qualquer animal. Podendo inclusive gerar uma intoxicação por ingestão que pode vir a levar a morte

2: Cuidados com sua saúde e do seu novo pet

Se você adotou seu novo companheiro por intermédio de alguma ONG, provavelmente você deve ter recebido todas as informações em relação à saúde dele, assim como instruções para mantê-lo saudável e feliz! Agora, se você resgatou um peludinho das ruas, é importante que você tome algumas medidas o mais breve possível para evitar que ele, você e as pessoas que convivem com você tenham qualquer problema de saúde.

3: Comportamento do seu resgatado

Como muitos dos cães que são adotados foram abandonados ou encontrados nas ruas, é comum que eles não saibam lidar com alguns comandos. Afinal, se ele foi abandonado, convenhamos que seu antigo tutor não tinha um pingo de consideração por ele, imagine dedicação para ensiná-lo comandos básicos, que todo animal de estimação deve saber.

4. Ajude-o a se acostumar, seja paciente

Nos primeiros dias e semanas, seu cachorrinho vai estar passando por um período de adaptação, e isso pode causar alguns sintomas de ansiedade, falta de apetite ou alguns hábitos inadequados, como se esconder de você. Não se preocupe, é normal! Seja paciente e tente mostrar a ele todo o carinho que puder, isso vai ajudá-lo e muito!

5.Tenha consistência

Tente passear e alimentá-lo diariamente no mesmo horário, chamando sempre com as mesmas palavras e entonação, por exemplo “vamos passear?” ou “Hora de papar!”. Ter uma rotina consistente é extremamente importante para o sucesso da integração de seu novo cachorrinho na família, além disso, faz com que ele se sinta seguro e comece a confiar em você.

6. Use diminuidores de ansiedade

Use e abuse do famoso enriquecimento ambiental – comedouros, ossos próprios para cães, brinquedos, ou até mesmo música e TV – com o objetivo de manter seu novo filho ocupado enquanto você estiver ausente. Essa dica é principalmente para quando você precisar se ausentar por várias horas. (Você encontra a linha completa que seu cão precisa em nosso site da zenpet *site* inclusive nossa linha de florais que auxiliam contra a ansiedade)

7.Castração

Todos concordamos que é sempre melhor prevenir um problema do que remediá-lo, certo? O primeiro passo para ajudar a diminuir a quantidade de pets abandonados, é evitar filhotes indesejados. Por isso, a castração é uma ótima maneira de ajudar, além de trazer diversos outros benefícios.

Não pode adotar mas quer ajudar? Veja nossas dicas abaixo:

1 – Alimente os Animais de Rua

Com certeza alimentar um animal de rua é uma das ações mais caridosas que uma pessoa pode fazer.  Sabemos que, infelizmente, não tem como uma pessoa sozinha alimentar todos os animais de rua. Por isso é importante cada um fazer a sua parte.

Na frente da sua casa ou prédio deixe um potinho de água e ração para os animais que vivem na região.

2- Faça uma Campanha de Adoção

Caso você tenha certeza que o bichinho realmente não tem dono faça uma campanha de adoção nas redes sociais.  Tire boas fotos do animal, compartilhe o máximo possível, peça ajuda para os seus amigos, e compartilhe nos grupos locais da região e em grupos de apoio aos animais.

3- Cuide da Saúde dos Animais de Rua

Por estar exposto aos riscos das ruas, parasitas, atropelamentos, brigas com outros animais e infelizmente agressões feitas por pessoas, os animais podem ter vários tipos de necessidades clínicas.  Claro que é muito difícil cuidar deles com todas essas adversidades, mas é possível.

Você pode dar remédio anti verme sempre que possível. É uma medicação barata e que faz toda a diferença na saúde dos animais.

4- Apadrinhe um Animal de um Abrigo

Sabemos que o poder público não tem muitos projetos de apoio aos animais de rua. Sendo assim o trabalho das ONGs de animais se tornam ainda mais essenciais. Contribua com o trabalho dos abrigos e apadrinhe um cachorrinho ou um gatinho.

6 benefícios de se adotar um animal:

–  Você terá um companheiro para todas as horas

– É possível receber um alerta dele em situações que você esteja em perigo

–  Animais estimulam a sociabilidade

– Adoção salva a vida de um animal

– Quem vive com pets tem menos estresse

– Animais ajudam a desenvolver responsabilidade

Responsabilidade de resgatar um cachorro da rua

Quando resgatar um cachorro da rua, você também deve se responsabilizar para verificar se ele irá para uma família que o mereça. Muitas vezes, principalmente se for filhote, as pessoas adotam e acabam não dando o devido amor e cuidado e às vezes até abandonam novamente.

Peça indicações, verifique as reais intenções da nova família e, de preferência, não perca o contato, para poder ter certeza de que o cachorrinho está muito, muito feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.